quarta-feira, 6 de novembro de 2013

O sismo de Lisboa de 1755 e sua relação com o momento atual




Pra entendermos o presente as vezes um olhar para o passado (ou para o que há de registro deste passado) acaba sendo a melhor forma de se compreender o que está acontecendo no agora. A quadratura entre Urano em Áries e Plutão em Capricórnio já foi discutida aqui neste espaço em outras ocasiões, mas agora quero voltar a esse assunto, analisando também uma época em que  uma quadratura do mesmo tipo que essa ocorreu.  Primeiramente, como fazemos pra saber que tipo de quadratura é essa? Não é tentando encontrar uma outra ocasião em que o aspecto tenha se dado nos mesmos signos ou graus que vamos definir isso, não é exatamente isso que define o tipo de quadratura.


Toda quadratura é um desdobramento que vem de uma conjunção ou oposição anterior. O que antecedeu essa quadratura de agora foi uma conjunção entre Urano e Plutão no segundo decanato do signo de Virgem durante os anos 60 do século XX. Isso torna a quadratura de hoje uma quadratura crescente onde Urano se afasta cada vez mais de Plutão indo em direção ao distanciamento total que ocorre na oposição. Visualize de que maneira isso acontece através deste resumo das efemérides heliocêntricas tomada para o dia primeiro de janeiro de cada ano especificado:

Ano
Urano
Plutão
1965
12° Virgem
14° Virgem
1975
29° Libra
07° Libra
1985
14° Sagitário
02° Escorpião
1995
26°Capricórnio
28°Escorpião
2005
06° Peixes
22° Sagitário
2010
25° Peixes
03° Capricórnio
***2011
29°Peixes
05°Capricórnio
2012
03°Áries
07° Capricórnio
2013
07° Áries
09° Capricórnio
*2014
11°Áries
11° Capricórnio
2015
15° Áries
13° Capricórnio
2016
19° Áries
15°Capricórnio
2017
23°Áries
17°Capricórnio


Por que a efeméride heliocêntrica? Porque ela fornece uma visão panorâmica do aspecto sem a ilusão de ótica causada pela percepção dos movimentos retrógrados dos planetas, já que sabemos que na realidade os planetas não ficam retrógrados de verdade. Então uma perspectiva heliocêntrica é mais limpa porque revela a média do aspecto, e principalmente revela o momento mais absolutamente exato do aspecto como ele está ocorrendo no espaço.

Heliocentricamente, a quadratura atual ocorre entre os dias 23 e 25 de novembro de 2013 em torno do 11°03' de Áries/Capricórnio. Estamos portanto exatamente no centro do aspecto, no auge da sua exatidão. Na perspectiva geocêntrica, tivemos um contato exato  no dia 01 de Novembro de 2013, e teremos um outro em 21 de abril de 2014. 

Agora que localizamos com exatidão a quadratura de hoje, vamos procurar pela última quadratura (deste tipo) que ocorreu.  A última quadratura, de fato, ocorreu com Urano em Áries e Plutão em Câncer durante os anos 30 do século XX, que marcou o crash de 1929, a recessão econômica dos anos 30 e a ascensão do fascismo no cenário global. Só que esta era uma quadratura minguante. A última quadratura crescente ocorreu no século XIX, Mas comparada com o aspecto atual foi um processo muito mais rápido, porque nesta ocasião Plutão estava em Touro, muito lento. Durou apenas 3 anos, e que vem de uma conjunção Urano/ Plutão que havia ocorrido no próprio signo de Touro (pra se ter uma ideia da lentidão de plutão por este signo, onde ele fica por cerca de 33 anos).

A conjunção Urano/Plutão que ocorreu no século XVIII ja foi muito mais semelhante a situação atual, primeiro por ter ocorrido num setor do zodíaco muito próximo do da última conjunção. Vejamos como se desenrolou o trânsito desses planetas entre a conjunção e finalmente até a quadratura crescente que pretendemos observar:

Ano
Urano
Plutão
1710
24°Leão
27°Leão
1720
11°Libra
17°Virgem
1730
27°Escorpião
10°Libra
1740
10°Capricórnio
06°Escorpião
1750
20°Aquário
02°Sagitário
1752
28°Aquário
06°Sagitário
1753
02°Peixes
09°Sagitário
1754
06°Peixes
11°Sagitário
***1755
10°Peixes
13°Sagitário
1756
14°Peixes
16°Sagitário
*1757
18°Peixes
18°Sagitário
1758
22°Peixes
20°Sagitário
1759
26°Peixes
22°Sagitário

Analisando o histórico de conjunções urano/Plutão, percebemos que há um padrão binário, ou seja, 2 conjunções de urano com plutão , dentro do período de uma revolução de Plutão completa onde ocorrem 3 revoluções de Urano. Então há um ciclo entre Urano e Plutão de fato. E há um padrão, ainda que não muito uniforme, nessas conjunções. Veja a lista contendo algumas delas em sequência (lembrando que este é o grau da conjunção heliocentricamente):

  836  20°Peixes
  947  15°Câncer
1090 01°Áries
1201 28°Câncer
1344 10°Áries
1456 12°Leão
1597 20°Áries
1710 28°Leão
1851 29°Áries
1966 16°Virgem
2104 07°Touro
2221 07°Libra
2357 16°Touro
2478 01°Escorpião


Então a conjunção de 1456, ciclicamente , corresponde as conjunções de 1710 e 1966, enquanto que as conjunções de 1344, 1597e 1851 formam outro encadeamento. Sei que pode parece um excesso de detalhes, mas estou colocando tudo isso pra mostrar o porquê de a quadratura de agora entre Urano e Plutão ser tão parecida com a quadratura de 1755.


O que aconteceu em 1755? 




Em primeiro de Novembro de 1755 ocorreu um gigantesco terremoto na costa portuguesa do Oceano Atlântico. O terremoto foi tão forte que chegou a ser sentido em diversos locais da Europa, África e América. A cidade de Lisboa, uma das cidades mais antigas e bonitas da Europa, capital de uma das  maiores potências mundiais daquele momento, foi completamente destruída pelo tremor, que fez desabar uma série de prédios e deflagrou uma série de incêndios. Muitos correram da cidade em ruínas pra  costa, com medo de novos tremores, quando então perceberam o recuo do mar e a formação de um Tsunami de mais de 20 metros de altura que promoveu mais mortes e destruições. Ao menos 10.000 pessoas pereceram no terremoto e no Tsunami. Milhares ficaram feridos, quase todos desabrigados.

A ocorrência desse tremor absurdo foi o que precipitou o surgimento da Sismologia, ciência que estuda e tenta prever a ocorrência de terremotos. Diversos pensadores daquele momento ficaram completamente horrorizados com o acontecimento e escreveram sobre o ocorrido. Um deles foi o filósofo francês Voltaire, que escreveu as seguintes linhas:


"Ó infelizes mortais, ó terra deplorável.

Ó ajuntamento assustador de seres humanos! Eterna diversão de inúteis dores!

Filósofos alienados que proclamam: — tudo vai bem. Venham contemplar essas ruínas horrendas, esses destroços, esses farrapos, essas cinzas malditas, essas mulheres e essas crianças amontoadas sob mármores partidos, seus membros espalhados.

Cem mil desafortunados que a terra devora, que sangrando, dilacerados, e ainda palpitando, enterrados sob seus tetos, sucumbem sem socorro, no horror de tormentas findando seus dias!

Diante dos gritos de suas vozes moribundas, do horror de suas cinzas ainda crepitantes, vocês dirão: é a consequência de leis eternas que um Deus livre e bom resolveu aplicar?!

Vocês dirão, vendo esse amontoado de vítimas: Deus vingou-se, e a morte deles é o preço de seus crimes?!

Que crime, que falta cometeram essas crianças esmagadas e sangrentas sobre o seio materno? Lisboa, que não mais existe, teria mais vícios que Londres, que Paris, submersas em delícias?

Lisboa está destruída e dança-se em Paris.

Espectadores tranquilos, intrépidos espíritos, contemplando a desgraça desses moribundos, vocês procuram — em paz — as causas do desastre: Tudo vai bem — dizem vocês — e tudo é necessário.

Por acaso o universo, sem esse abismo infernal, sem submergir Lisboa, estava sendo pior?
"



Para além do contido nas palavras de Voltaire, da estupefação geral ,  o iluminismo, corrente de pensamento que nascia nessa época ganhou uma força tremenda com este acontecimento. Portugal era uma das cidades mais católicas da Europa, que se comparada com Londres ou Paris, poderia ser chamada de uma "cidade virtuosa". Mesmo assim , "Deus", diziam os filósofos, escolheu a carola Lisboa pra ser destruída. Não Paris, não Londres, não nenhum outro lugar. Mas logo Lisboa.   

Isso é muito interessante quando lembramos que nessa época estava em curso a quadratura entre urano e Plutão, Urano em Peixes e Plutão em Sagitário. Naquele ano de 1755 Um contato exato entre plutão e Urano já havia ocorrido no final de Maio, aos 15° de Peixes/Sagitário. Em setembro, outro contato exato, dessa vez com Plutão estacionário também ocorreu nos 13° de Peixes/Sagitário. Em Maio de 1756 mais um contato exato ocorria e ficava exata a conjunção entre Plutão e Éris em Sagitário, aos 18°. Eis o mapa do evento:



Ele ocorreu no dia Primeiro de Novembro de 1755 entre 9:30 e  9:40 da manhã em algum ponto da costa Portuguesa; O mapa acima reflete o momento do evento na cidade de Lisboa. O que mais chama atenção é não somente Plutão, mas a conjunção de Plutão e Éris em Sagitário em quadratura com Urano em Peixes. Plutão desponta exatamente no Ascendente do evento. É isso o que torna o evento tão simbólico. Foi considerado por muitos como o evento divisor de águas que marca o Iluminismo e a revolução Industrial como fenômenos culturais a penetrar em toda a Europa, além do início de um processo de decadência em relação ao poder político da igreja católica, bem como início da sua declinação como influência cultural. Era o universo sagitariano passando por profundas transformações. A ciência estava à ponto de assumir o lugar que antes pertencia a igreja como elemento regulador da "verdade";

Pra compreensão do evento e de todas as suas consequências , sugiro que assistam a este documentário da RTP que fala de como o evento foi vivido pela cidade e suas consequências para a sociedade portuguesa e para o imaginário coletivo da época:


















O que tem haver o sismo de Lisboa com os tempos modernos? Bom, como disse no inicio, estamos novamente sob uma quadratura do mesmo tipo da que ocorreu naquela época. Estamos precisamente no mesmo ponto do ciclo entre Urano e Plutão daquela época da década de 50 do século XVIII.  

Vivemos dois eventos similares ao de Lisboa. Talvez na época do Sismo Lisboeta  tenham ocorrido outros que não foram tão percebidos em outras partes do globo. Mas com a forma de organização do mundo que temos hoje, praticamente nada que acontece no planeta passa despercebido. Em 2010 tivemos um grande terremoto no Caribe e um outro no Japão. Nenhum dos dois foi tão forte quanto o de Lisboa em termos de escala de intensidade. O do Haiti, por sua vez, foi muito mais mortífero. O do Japão teve consequências em outro nível: a de promover uma séria reflexão com relação aos usos da energia nuclear, seus riscos e consequências. Agora que chegamos ao ápice da quadratura entre Urano e Plutão, descobrimos que estamos a ponto de vivência uma inédito acidente nuclear com potencial de promover alterações ecológicas em nosso planeta que ainda não conseguimos conceber. Se um terremoto , ainda que fraco, voltar a ocorrer naquela região, Os tambores improvisados que servem para contem a água radioativa da usina podem todos colapsar e derramar toneladas de lixo radioativo nas águas do pacífico. E isso porque ja existem estudos (mais pessimistas) relacionados aos efeitos que a radiação já lançada sobre o pacífico tem causado sobre a fauna do pacífico. Muitos olham com desdém pra esse tipo de estudo, mas uma notícia que saiu essa semana chama a atenção de forma alarmante: Uma grande massa de entulho do Tsunami de 2011 está prestes a chegar agora na costa leste norte-americana. O entulho inclui o telhado de uma casa! Se detritos sólidos estão conseguindo chegar do outro lado do mundo, o que poderíamos dizer dos detritos radioativos que contaminam e se disseminam nas águas como uma peste?    



O elemento em comum não é exatamente a catástrofe. Não é necessariamente esse o ponto. Mas sim a reflexão e a mudança de pensamento, mudança de paradigmas que ela causa por ter ocorrido no momento em que ocorreu, no local em que ocorreu, com as consequências que teve ... 

Este terremoto enterrou o Portugal Medieval, dando lugar a um Portugal novo. Antes de reconstruir qualquer coisa, mandaram que se reerguessem as igrejas. Enquanto a Europa ia se desvencilhando da influência católica, Portugal, diante desta tragédia, se agarrou mais ainda a igreja. A tragédia provocou migração em massa para o Brasil de Portugueses e Açorianos. Nesta ocasião é que se pode considerar, de fato, o estabelecimento da língua portuguesa como língua oficial no Brasil. Nessa época ocorria no Brasil o chamado "ciclo do ouro", centrado nas Minas Gerais. A tragédia de 1755 levou ao aumento da exploração de ouro, já que Portugal se fragilizara diante das demais potências econômicas europeias. Isso levou também a criação de um abismo entre Portugal e o Brasil, deflagrando uma série de movimentos separatistas ao longo da segunda metade do século XVIII em decorrência dos impostas que eram cobrados da Colônia, cada vez mais explorada. O terremoto lançou Portugal em um período de decadência, já que o país continuava fortemente agarrado a um modo muito conservador de conduzir sua economia e relações internacionais, diante de mudanças que estavam fadadas a transformar completamente o mundo num futuro próximo, com Inglaterra despontando como grande potencia naval e industrial e a França como grande potência militar durante o período napoleônico. A expansão Napoleônica levou a fuga da família real de Portugal para o Brasil, o que teve como consequência o fortalecimento da colônia, aumento dos ideias separatistas e consequentemente a independência assim que os portugueses retornaram a Portugal com o fim do império napoleônico.

Em termos gerais, não é exagero dizer  a tragédia de 1755 foi um grande motor propulsor para o fortalecimento dos pensamentos iluministas em lugares como França, Inglaterra e Alemanha. Nesse sentido é fácil perceber  em que nível se deu a transformação, no nível jupteriano da filosofia, religião e organização do conhecimento. Nesta mesma década os principais filósofos organizavam a primeira enciclopédia na França que seria lançada na época do encontro exato em nível heliocêntrico de Urano e Plutão.

A quadratura atual ocorre com urano em Áries e Plutão em Capricórnio. Signos marcianos, que falam em coisas como as lideranças políticas, os armamentos, guerras,  e a indústria de modo geral, já que marte também é trabalho. No caso do terremoto de Fukushima e o acidente com a usina, o que fica em cheque é a continuidade dos programas nucleares em diversos países, o que de certa forma coloca em cheque os rumos do próprio capitalismo. Uma série de países (potências) europeus tem na matriz nuclear a sua principal fonte de energia. E o terremoto de Fukushima nos ameaça agora com uma tragédia que pode ter consequências ainda desconhecidas. Que impacto teria a contaminação generalizada das águas de todos os oceanos?  Isso leva a uma reflexão séria em relação aos nossos hábitos e costumes. O consumismo alimenta a industria, é um ciclo vicioso. Cada vez mais pessoas sentem mais e mais vontade de consumir. O modelo que funcionou tão bem nos últimos anos precisa de uma revisão urgente.

É interessante porque a conjunção de Urano e Plutão dos anos 60 (a última) ocorreu no signo de Virgem. Uma dos principais papéis de Virgem é o de promover a conservação. Por isso Virgem rege coisas como a medicina. Mas é a conservação também do mundo que nos cerca, o cuidado, o perfeccionismo, o cuidado com a natureza e com o próximo. De lá pra cá a medicina evoluiu de forma assustadora. Nos países ricos, as pessoas vivem cada vez mais. isso significa que as pessoas continuam a consumir por cada vez mais anos. E os recursos não são infinitos. E é necessário energia pra mover todo esse sistema, cada vez mais energia.




Assim, apesar dos eventos extremos que temos acompanhando, essa quadratura tem um efeito que pode ser muito positivo no médio prazo. Trata-se da quadratura crescente que em breve será substituída por um trígono crescente durante os anos 20. É a parada necessária pra avaliação do que se tem feito. A oportunidade de um ajuste de direção, pro reconhecimento dos erros e sua oportuna correção. Uma ideologia que precisa, pouco a pouco ser abandonada. No século XVIII era a ideologia mística das religiões e o posterior abraço à ciência. Aliás, foi o que nos levou ao estado atual das coisas.  Agora é a ideologia do culto ao consumo que precisa ser substituída por uma ideologia mais humanizada e preocupada com a conservação deste planeta. Todo ser humano deseja e precisa de bem estar e não faz sentido nos encaminharmos pra um cenário onde teremos que nos matar uns aos outros pra conquistar o mínimo de conforto num futuro não tão distante. Como todo bom conflito, a transformação não ocorre de forma suava. E ainda estamos assistindo ao que acontece. Não temos como ter uma visão clara e objetiva do que está se processando agora, da mesma forma como não havia como se haver uma consciência clara sobre as consequências do que ocorria em 1755. Agora pra nós que estamos distantes, fica fácil de entender o que acontecia no passado e de como se processaram as consequências daqueles eventos.  Pra nós que estamos inseridos no tempo atual, tem certas coisas que só ficarão realmente claras dentro de alguns anos, quando então poderemos avaliar os desdobramentos dos acontecimentos atuais. Ainda tem potencial de acontecer muita coisa até o ano de 2016.         
Comentários
0 Comentários

0 comentários:

Postar um comentário

 

Mega Astrologia Copyright © 2008-2015